Alguns recursos dependem da execução de javascript
Esse site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você concorda com suas condições.

Editorial

Gestão educacional

Recuperação das aprendizagens

16 de Março de 2022

** Por Juliana Yade

“Não importa quão longa seja a noite, o dia certamente virá.”

Este é um provérbio africano, da civilização Bantu, que pode ajudar a traduzir um pouco das nossas vivências ao longo da pandemia.

Experimentamos, nos últimos dois anos, incertezas e desafios em diversos campos, na saúde pública, no plano socioeconômico e na educação. Em muitos momentos, a sensação foi, como no provérbio, a de estarmos atravessando uma longa noite.

O isolamento social trouxe grandes prejuízos às convivências, às aprendizagens e aos afetos, atingindo todos, mas de maneiras distintas. Reconhecemos que as desigualdades já existentes foram acentuadas e vimos grande parte dos estudantes com dificuldades em ter garantidas as condições necessárias para continuarem aprendendo.

No entanto, como sociedade, demonstramos capacidade de responder a muitos dos desafios impostos pela pandemia e, com o apoio da ciência e da tecnologia, fomos, coletivamente, “tecendo a manhã” –  tomando emprestadas  as palavras de João Cabral de Melo Neto*.

Avançamos no controle da letalidade por meio da cobertura vacinal. Presenciamos ações de solidariedade voltadas às muitas pessoas que se viram desprovidas de seus empregos e de condições básicas para tocar a vida. Constatamos o fortalecimento da relação entre as escolas e as famílias que precisaram reconfigurar  e ressignificar o espaço e o tempo das aprendizagens quando as aulas passaram a acontecer nas casas, pela tela da TV, pelo celular ou por meio de materiais impressos.

Chegamos agora ao esperado momento de retornar às atividades escolares presenciais. Com isso, definir estratégias de acolhimento e valorizar as soluções construídas por profissionais da educação em articulação com as famílias é fundamental. Precisamos também compreender as necessidades de cada estudante neste retorno para estruturar um processo de ensino e aprendizagem equânime.

Estudos nacionais e internacionais sugerem que o tempo de fechamento das escolas, mesmo que por um curto período, resultou em impactos negativos nos níveis de aprendizagem, trajetória escolar e futura inserção no mercado de trabalho para estudantes. É no esforço contínuo de construir estratégias para recuperar as aprendizagens prejudicadas durante este período e também de rever e redesenhar possibilidades que promovam o avanço e a equidade – não um simples retorno ao cenário de desigualdades anterior à pandemia – que olhamos para os desafios que estão postos. O momento exige um compromisso de toda a sociedade e especialmente de gestores públicos, com ações que articulem teorias e práticas nos atos de ensinar e aprender.

Novamente citando João Cabral de Melo Neto, “se erguendo tenda, onde entrem todos”, recuperar as aprendizagens é condição para que todas as crianças, adolescentes e jovens possam desfrutar a educação como direito. Isso só se efetiva com acesso, permanência e desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e competências adequados para cada etapa do ensino. Importa também, para a garantia do direito à educação, que se promova a participação coletiva e assim se possa tramar esse “tecido tão aéreo que, tecido, se eleva por si: luz balão”.

Para apoiar o planejamento educacional neste contexto, o Polo disponibiliza um novo percurso formativo, o Recuperação das Aprendizagens.

Os temas apresentados nesse percurso dialogam com as orientações do Conselho Nacional de Educação (CNE) e do Ministério da Educação (MEC) para este momento e oferecem conteúdos e ferramentas para que as equipes possam montar planos de trabalho de forma colaborativa.

 O percurso é formado por seis cursos independentes e com as seguintes temáticas complementares:

* Tecendo a manhã

 Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito que um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.

E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.

João Cabral de Melo Neto – Publicado no livro A educação pela pedra (1966)

** Juliana Yade -  Especialista em Educação do Itaú Social

Graduada em Pedagogia pelas Faculdades Integradas Campos Salles. Mestre e doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará – UFC, instituição em que atuou também como pesquisadora. Foi professora nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Trabalhou com educação e relações étnico-raciais no Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades – CEERT.